Cultura

Religião

Criação
            Na cosmologia dos Bakongo, o princípio criador do mundo é conhecido pelo vocábulo Nzambi Mpungu, o Mestre Soberano. Ele é pensado para ser onipotente. Suas representações intermediárias incluem Terra, Céu e os Espíritos Ancestrais, os quais foram representados em objetos Nkisi.
            Para os Bakongos, quando encontravam dificuldades ou temiam que um espírito houvesse sido ofendido, então era necessário à consulta de um Nganga (adivinho), que poderia instruir medicamentos para determinado Nkisi, a fim de alcançar o bem-estar.  Nkisi significa medicina, e esses talismãs são representativos de materiais carregados de poder.
            Como fontes constantes de vida e bem-estar, estão a terra e os ancestrais matrilineares enterrados nela, que estão em uma base profunda do pensamento do Kongo, que também  é muito focado na fertilidade e na continuidade da comunidade.
            Reminiscências dessa religião autóctone e práticas culturais foram identificadas, por exemplo, no Vodu de New Orleans, e na Umbanda e Candomblé do Brasil.
Referência: http://tenquestions.blogspot.com.br/2005/10/this-cycle-i-am-bakongo.html >>Acesso em 10 de junho de 2014<<

Os Espíritos Benfazejos
            Há entes sobre-humanos que governam o mundo para Nzambi Mpungu: são principalmente os Bakisi (gênios).  Nos velhos tempos, dizem, os Bakisi eram bem melhores e amigos dos homens. Protegiam-lhes fazendo chover, dando-lhes alimento, proporcionando bem estar.
            A estes espíritos benfazejos, à frente do bom andamento do universo, chamavam, outrora, de Bikinda Binsi.

Yowa
            O giro do ciclo cósmico representado por um ideograma traçado no chão, conhecido como yowa ou dikenga, uma cruz (anterior à introdução do cristianismo), é o símbolo principal dos Bakongos.
            A cruz representa as quatro estações do movimento do Sol pelo céu.  Tem discos solares na ponta de cada um dos braços e setas que indicam um sentido anti-horário. Pela utilização do Sol para expor o conhecimento sobre a terra e a vida do homem, por quatro fases:
DIREITA- LESTE: nascente, princípio, nascimento ou novo desenvolvimento;
ALTO-NORTE: ascendência, maturidade, responsabilidade;
ESQUERDA-OESTE: poente, transmissão, morte, transformação;
 EMBAIXO-SUL: meia-noite, existência no outro mundo, renascimento eventual.
            O alto simboliza não apenas o meio-dia como também masculinidade e o ápice da força de uma pessoa na terra. A parte de baixo iguala-se à meia-noite, feminilidade, o ponto mais alto da transcendência de uma pessoa.
            No centro do yowa encontra-se o ponto do Absoluto, da eternidade, assim, para os bacongos, o Eixo do Mundo localiza-se onde ele for desenhado, celebrado em cânticos e assimilado na consciência do peregrino espiritual.  Dizem: “Yimbila ye sona”: deve-se “cantar e desenhar o ponto”.  
            A elipse central representa as águas míticas de Kalunga, separando os dois mundos, que são um as imagens espelhadas do outro: o mundo comum (Ntoto) e a “terra dos mortos” (Mputu).
            Kalunga, é a denominação do mar infinito dessa cosmologia, a elipse do diagrama, é o termo para descrever a terra dos mortos, para qual o mar é tanto uma barreira quanto uma via de passagem. Kalunga são também as águas cósmicas, representadas por uma elipse, é a Água da Vida. Essa elipse simboliza, assim, o lado feminino que é a matriz da criação- O Útero Cósmico. É associado, por fim, a morte, pois quando o cosmograma é lido de fora para dentro, o Útero Cósmico da criação se torna o Túmulo Cósmico do fechamento do círculo sagrado.
            O poder de cura do símbolo congo ainda hoje se encontra no Caribe, em bairros de Havana, Miami e New York, e na América do Sul, embora que modificados.
Referências: O Herói com Rosto Africano Mitos Da África, por CLYDE W. FORD


Referência da imagem: http://isikuro.tumblr.com/post/25587587862/the-congo-cosmogram-called-the-dikenga-or-yowa-is  >>Acesso em 10 de junho de 2014<<

Referência:  http://landofkam.files.wordpress.com/2012/01/kongocolorcross1.jpg  >>Acesso em 10 de junho de 2014<<


Referência: http://heritage.ky.gov/kas/pubsvids/volumethree.htm   >>Acesso em 10 de junho de 2014<<
Kala: Manhã, nascimento e infância - cor preta
Kala Rising (Verão simbólico)
Tukula: meio-dia, o auge da vida - de cor vermelha
Tukula Falling (queda simbólica ou outono)
Luvemba: por do sol, a vida tarde, a velhice, a morte - de cor branca
Luevmba Falling (simbólico de Inverno)
Masoni: meia-noite, renascimento, ressurreição - de cor amarela








Os Espíritos da Terra - Bakisi Basi
            Os Bakisi Banene (os grandes Bakisi) ou Bakisi Basi são espíritos da Terra, do Sol, da região, de cada fundador e chefe de clã; por intermédio de um Nganga especial, que tinha a seu cargo inaugurar o seu próprio Nkisi Nsi para presidir aos interesses da terra que acabavam de tomar e ocupar. 
            É do Nkisi-Nsi que o chefe recebia o poder. E também toda a comunidade, por cerimônias públicas, procurava conquistar graças e favores.
            Estes espíritos parecem ser muito antigos, mais antigos do que a própria população, pois teriam sido trazidos pelos primeiros emigrantes conhecidos. Vivem na terra, na água das lagoas e, especialmente, nas rochas ou tem o seu santuário nas florestas. Este culto regulava - e ainda hoje influencia - toda a vida social e familiar.  
                        Ao Nkisi-Nsi ficam ligados todos os que nascem de uma forma tida por «anormal», a saber:
Os Zindundu: Albinos. Porque os aIbinos, de um e outro sexo, são incapazes de gerar (O albinismo é alvo de superstições milenares. Muitas culturas, engendraram mitos como a ideia de que os indivíduos albinos de uma espécie são estéreis; entretanto, os albinos se reproduzem normalmente). Era costume apresentarem os Zindundu ao Rei. Eram, depois, ensinados na prática da magia e passavam a servir de magos ao Rei, que seguiam e acompanhavam sempre. Eram bastante respeitados.
Basimba, os gêmeos. Tidos também por filhos, do Nkisi-Nsi. Eram respeitados como os albinos.
Os Nsunda (pl. Basunda), os que nascem pondo, primeiro, as pernas fora do ventre materno.
 Os Kilombo - Os que revelam, em sonho, a sua origem estrangeira.
Os mortos com Vimbu (doença que faz inchar).
As que morrem grávidas e todos que não cortaram os cabelos ou as unhas.
Jura-se e amaldiçoa-se, ainda hoje, pelo Nkisi-Nsi; que por bom e generoso que seja também pode encolerizar-se e vingar-se.
            Há ainda os Bakisi Bakulo - os espíritos dos antepassados, protetores da família; o Lemba, especial do casamento, para que haja paz no casamento e seja fecundo. Para as mulheres grávidas e para as crianças há uma série de espíritos protetores: Malazi, Mamazi, Mbenza, Kobo, Kívunda. A função destes é guardar e proteger as crianças, já antes do nascimento, dos maus olhados dos Bandoki, matadores, comedores da alma.
            Mas os espíritos mais temidos são os chamados Nkonde ou Nkose, demônios maus, espíritos do ódio e da vingança. À dos Bandoki - assassinos e comedores de almas. Faziam parte do grupo Nkonde: Mabiala Mandembo (espírito vingador do Loango), Mangaka, Mungundo, Nsasi-Nkonde, Nkonde, Nkonde (o) Ikuta Mvumbi.
            Normalmente as suas estátuas e estatuetas estão providas de um espelho e crivadas de pregos. Quem desejar mal a alguém e quiser se vingar, martela um prego na estátua de um Nkonde jurando que não terá descanso até que o outro seja punido.

Fontes:

http://jahmusic.zip.net/arch2007-12-16_2007-12-22.html  >>Acesso em 10 de junho de 2014<<



Artes



Quando os europeus chegaram à África descreveram de forma unanime, as artes dos nativos como “imagens diabo” (Dapper, 1676; Merolla de 1683) "rudemente esculpida em madeira e coberta com trapos sujos" (J.K. Tuckey, 1816) eram "feroz na aparência" (HM Stanley, 1895). Tenente]. K. Tuckeycomparou-os com os "espantalhos" e os missionários católicos e batistas, no final do século 19século considerou-os "indecente" (Semanas JH, WH Bentley) ou "francamente obsceno" (AJ Wauters).Após algumas influências de movimentos das artes, essa ideia mudou, e as manifestações artísticas não eram mais tidas como negativas. Tanto que, atualmente, existem por todo o mundo inúmeras exposições de arte congolesa e dos demais povos africanos.
A arte congolesa apresenta-se de forma realista e cheia de geometria. A sua escultura é marcada por figuras femininas. Robustas e sensuais.

Estátuas: As estátuas em geral representavam os chefes falecidos e ancestrais da aldeia. Segundo a tradição do Reino do Congo, as sepulturas são locais onde os vivos e os mortos poderiam manter contato, e os objetos pessoais do falecido eram colocados em seu túmulo do modo que esses objetos remetessem a sua memória do mesmo.
Figura Sentada (Tumba)
República Democrática do Congo; Kongo, Bamboma
O Memorial Coleção Michael C. Rockefeller, Purchase, Nelson A. Rockefeller Presente, 1968 (1978.412.573)




Características: Rosto carnudo, e simbolizando ser de uma pessoa saudável e bonita. As pernas cruzadas são características comuns de líderes e que estava pensativo no momento. Na cabeça, uma espécie de coroa decorado com garras de leopardo não só associa o governante com a força ea astúcia deste animal selvagem, mas também evoca os quatro pontos cardeais do Kongo cosmologia.Cabeça inclinada e olhos baixos sugerem tristeza ou reflexão, e de fato a colocação de cabeça na mão é um sinal Kongo de luto.




Figuras masculino e feminino,
 República Democrática do Congo; Tabwa
O Memorial Coleção Michael C. Rockefeller, Purchase, Nelson A. Rockefeller Presente, 1969 (1978.412.591,2)
Características: Imagem que representa os ancestrais de alguma família da região da República Democrática do Congo, com a intenção de legitimar. Decoração da pele com desenhos geométricos levantadas foi uma forma de indicar caráter de usar o corpo como ornamento. Ambas as figuras exibem marcas faciais que chamam a atenção para as áreas da cabeça associadas com a percepção aguda e inteligência. Linhas nas bochechas e têmporas indicar o ponto logo acima da ponte do nariz que foi considerada a origem da sabedoria e perspicácia. Duas bandas, texturizados longos enquadrar a testa, a casa dos sonhos que foram considerados uma forma especial de visão concedida a indivíduos talentosos.

As esculturas retratam pessoas sem roupas, exceto fios no pescoço, nos pulsos e tornozelos, o que indica que os habitantes da aldeia usavam poucas roupas. Tais cintos eram sinais vitais de linhagem que reforçou links para as gerações anteriores de governantes.




Figura Materna
Povos luluwa; República Democrática do Congo
O Memorial Coleção Michael C. Rockefeller, legado de Nelson A. Rockefeller, 1979 (1979.206.282)
Esta representação esculpida de uma mãe segurando seu filho a seu lado é uma figura de maternidade luluwa. A figura pertence a BWA Bwangacibola, uma associação social ou de "cult", que aborda questões de fertilidade e as funções humanas como parte do mundo mágico-religiosa complexa dos povos luluwa. Dentro deste mundo, os curandeiros ritual conhecido como mupaki ou Mpakamangá são dotados de poderes místicos e desempenham um papel vital na comunidade, controlando e direcionando as forças sobrenaturais. A procriação é um objectivo essencial na sociedade e, consequentemente, luluwamangá são muitas vezes chamados para aumentar a fertilidade e proteger as mulheres grávidas, recém-nascidos e crianças pequenas. Manga utilizar objetos de poder, ou Bwanga, como recipientes e pontos focais de forças sobrenaturais. A forma do Bwanga e os materiais de que são feitos variar grandemente; muitos são naturais, objetos em bruto, como cabaças ou chifres de animais, enquanto outros assumem a forma de representações antropomórficas de madeira, como este exemplo da coleção do Museu.

 Máscara
As máscaras também, como as estátuas tem a função de representar sacerdotes, líderes, chefes das aldeias. As formas animistas das mascaras, representam animais grandes, fortes, que remetem a força.
As máscaras são utilizadas em rituais de iniciação. Um exemplo são as máscaras Pende Minganji, que fazem uma aparição em uma grande variedade de ocasiões (como o ritual de posse de um chefe local, ou a construção de residência de um novo chefe). A máscara Gitenga é descrito como o avô ou o chefe da Miganji. Ele serve como uma representação do sol, um símbolo da vida e da regeneração. Gitenga a máscara, portanto,está em oposição diametral para os outros personagens, que encarnam Minganji morte, incerteza e escuridão . 



"[Petridis C., 1993: Máscaras estilos Pende. Rosto dos Espíritos]. Durante a sua viagem para o Congo (atual República Democrática do Congo).


Mangaaka Poder Figure (NkisiN'Kondi)
República Democrática do Congo ou Angola, Chiloango River Region; Kongo
Essa escultura procura inspirar temor, para intimidar, e para evocar um poder sem limites. Concebido para abrigar forças místicas específicas, figuras de poder Kongo foram as criações colaborativas de escultores e especialistas rituais. Este trabalho pertence à classe mais ambicioso do que tradição.
O elemento culminante é o cocar distintivo usado por chefes ou sacerdotes. Postura da figura e para a frente as mãos nos quadris-constituem a atitude agressiva de quem desafia sem medo de tendência gesto. Há também vestígios de uma cavidade abdominal para a matéria medicinal que originalmente atraiu vigor que define a figura. Os vários metais incorporados no torso expansivo atestam o papel central da figura como testemunha e executor dos assuntos críticos para a sua comunidade. Eles documentam votos lacrados, tratados assinados, e os esforços para erradicar o mal (normalmente as estátuas e estatuetas estão providas de um espelho ou crivadas de pregos, pois representam os espíritos Nkonde invocados pelos Ndoki, que causam as doenças e os males, ou deixam a natureza agir sozinha. Quem desejar mal a alguém e quiser se vingar, martela um preo na estátua de um Nkonde jurando que não terá descanso até que o outro seja punido).Em última análise, este trabalho inspirou a reflexão sobre as consequências de transgredir códigos estabelecidos de conduta social.

REFERÊNCIAS
http://www.metmuseum.org/toah/works-of-art/1978.412.573  >>Acesso em 10 de junho de 2014<<
http://africanartmuseum.jp/en/archive.html  >>Acesso em 09 de junho de 2014<<
http://www.ibiblio.org/hyperwar/UN/Belgium/Congo/  >>Acesso em 09 de junho de 2014<<
  

7 comentários: